Os pilares do conhecimento

Gestão do Conhecimento visa organizar estrategicamente a empresa através de processos de criação, captura, armazenamento, disseminação, uso e proteção do conhecimento importante para o negócio. Para entender o conceito é necessário compreender os 5 pilares que o sustentam:

1) Inteligência Empresarial

Alcança-se uma inteligência empresarial através de processos de Gestão da Informação executados de maneira eficiente. Estes proporcionarão uma base de informações que permitirá à empresa uma tomada de decisão mais estratégica, bem como uma visão de mercado mais realista e assertiva.

Uma empresa com a inteligência empresarial bem apurada, toma decisões baseadas em dados e não apenas empiricamente ou no chamado “feeling”. Novas oportunidades são encontradas quando analisados os dados existentes em uma empresa com gestão refinada.

Um case interessante é o da marca Brasil Cacau, que surgiu através da análise refinada de mercado feito pelo Grupo CRM, que é detentor da marca de chocolates finos Kopenhagen. Acompanhando a demanda do mercado e os dados colhidos da Kopenhagen, foi definido que o Grupo CRM investiria, também, em uma marca de chocolates para um público com menor poder aquisitivo.

2) Educação Corporativa

Quando se trata de empresas como o Google, vemos muito forte o pilar da Educação Corporativa. Os Googlers, como são chamados aqueles que trabalham na empresa, são evangelizados em uma cultura empresarial através de um trabalho psicológico e educacional intenso na adequação dos perfis às estratégias e objetivos da empresa.

Uma empresa que possui a sua estrutura e cultura claras, consegue um engajamento muito maior de sua equipe. A disciplina e o bem comum move as pessoas para um objetivo comum e todos só têm a ganhar quando se sabe como e onde se quer chegar.

3) Gestão de Competências

Outro aspecto importante na Gestão do Conhecimento é a Gestão de Competências. Ela diz respeito a processos de prospecção e seleção de talentos e processos posteriores de melhoria contínua de cada profissional.

Após a contratação, este profissional deve ser conduzido a um processo que possibilite a identificação de qual posto de trabalho ele possui maior eficiência. Uma vez este encontrado, deve ser bastante claro ao colaborador qual é o plano de carreira e o processo de aperfeiçoamento que deve passar para atingir os seus objetivos e os da corporação.

No Brasil, por meio de uma parceria com o Senai, a Ford faz um bom trabalho de Gestão de Competências. Neste exemplo, através dos cursos da entidade, é possível identificar e aperfeiçoar os talentos que trabalham na companhia colocando os colaboradores certos nos lugares certos.

4) Gestão do Capital Intelectual

Tão importante quanto os outros pilares da Gestão do Conhecimento, é o processo de Gestão do Capital Intelectual. Este pilar visa identificar e compartilhar os conhecimentos gerados na empresa, bem como registrá-los para que cada experiência com clientes, parceiros e colaboradores se torne propriedade da empresa.

Esta prática servirá para evitar a repetição de erros ocorridos no passado e a permanência dos aprendizados no ambiente corporativo e não no intelecto de um ou outro colaborador, que ao sair da empresa levará consigo toda esta expertise. Neste caso, a companhia ficará à mercê de incorrer em falhas e prejuízos que poderiam ser evitados com uma disciplina neste pilar da gestão do capital intelectual.

Pulpo auxilia as empresas a praticarem a gestão do capital intelectual por meio de sua solução simples e inteligente. Essa ferramenta possibilita o compartilhamento dos conhecimentos dos colaboradores e gestores através de uma solução interativa que visa a perpetuação do conhecimento e melhoria dentro da instituição.

5) Aprendizagem Organizacional

A fim de propiciar um ambiente de latente inovação, as empresas devem prestar muita atenção à aprendizagem organizacional. Este pilar se refere, principalmente, ao processo de colaboração no conhecimento coletivo e à detecção e correção de erros em busca da melhoria contínua.

Novos conhecimentos e novas soluções são resultados típicos de um bom processo de aprendizagem organizacional. Através das equipes multidisciplinares que se reúnem em busca de melhorias, muitas inovações nos modelos de negócios e gestão podem vir a surgir.

Na Apple, existe de maneira bastante disciplinada e efetiva a abordagem com os grupos internos de aprendizagem organizacional. Não à toa a empresa utiliza em seus produtos conceitos bastante multidisciplinares e adaptados a diversos consumidores. A empresa possui a inovação disruptiva muito forte também no seu dia-a-dia, sendo a pioneira em muitos segmentos em que atua.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *