alimentar a minha base de conhecimento

Não tenho tempo. Como farei para alimentar de forma constante a minha Base de Conhecimento?

Desenvolver uma nova cultura junto a um grupo de pessoas é o maior desafio para quem quer trazer inovações para o seu negócio. A aderência e o engajamento das pessoas a um projeto se mostra bastante complexa, unindo fatores psicológicos e operacionais, devendo o gestor se tornar um vendedor interno a fim de obter os resultados que está em busca, ao começar uma empreitada desse porte.

Alinhamento de Objetivos da Empresa

Em um projeto de Gestão do Conhecimento, é fundamental uma compreensão da diretoria sobre os motivos que fazem a companhia começar a desenvolver esse ativo. A resposta para a pergunta: “Por que estamos investindo nisso?” deve ser dada de forma simples e objetiva por todos os envolvidos. Dessa forma, as chances de fracasso serão menores e a “venda” do projeto internamento fica mais fácil.

As respostas mais frequentes a esse questionamento estão no sentido de: organizar a empresa para o crescimento, deixar de perder dinheiro na saída de um funcionário, treinamentos mais eficientes e diminuir o índice de retrabalho e perguntas repetitivas. Quando os objetivos da empresa como um todo estão alinhados com o início do projeto de Gestão do Conhecimento, estará se dando um excelente primeiro grande passo para a construção dessa cultura.

Benefícios Individuais da Gestão do Conhecimento

Para se vender internamente algum projeto, além deste estar alinhado aos objetivos da empresa, deve existir uma sinergia clara entre ele e os colaboradores do negócio. As pessoas precisam compreender com exatidão quais serão, na prática, os benefícios de cada uma ao destinar tempo para compartilhar o seu conhecimento com o restante da empresa.

Alinhar os objetivos pessoais de cada um aos da empresa e posteriormente aos benefícios da Gestão do Conhecimento tende a ser o maior desafio desse processo. De forma prática, para isso ocorrer, deve-se primeiramente entender se o profissional possui sinergia com a empresa que trabalha e anseios similares; constatado isso e sendo positiva a resposta, é desejado que o interesse dessa pessoa seja: deixar um legado para o negócio (em caso de um dia ter que sair), crescer profissionalmente na empresa, focar o seu tempo em atividades de maior valor agregado, entre outros.

Caso o profissional tenha objetivos como os narrados acima, a sua adaptação com a Gestão do Conhecimento será natural e as objeções muito pequenas. Na hipótese dessa pessoa não ter interesses em comum com o negócio, o trabalho será muito no sentido de gerir essa pessoa e realinhá-la (ou não) com os valores do negócio. A falta de comprometimento com a Gestão do Conhecimento será apenas mais uma consequência de uma relação empresa-colaborador que não está mais dando certo e deve ser revista.

Custos Envolvidos para Implementar a Gestão do Conhecimento

Para se obter o sucesso na criação de uma cultura de Gestão do Conhecimento, é necessário investimento. Contratar uma ferramenta que servirá como a Base de Conhecimento da empresa, além de dedicar horas para a sua correta implementação e alimentação com conhecimentos relevantes e atualizados.

Destinar ao menos uma hora por semana para cada colaborador compartilhar os seus aprendizados com o restante da equipe de forma online (através da Base de Conhecimento) ou offline mediante práticas como mentorias e eventos internos. Para estimar o custo aproximado desse investimento recomenda-se fazer uma “regra de três simples”, avaliando a média salarial da equipe e multiplicar o montante pelo número de horas que se destinará ao projeto internamente. Ao final, se somará o custo mensal da ferramenta que será utilizada para gerir o conhecimento.

A Gestão do Conhecimento vale a pena?

Sim. Sempre será importante gerenciar o maior ativo da sua empresa: o conhecimento. A pergunta correta é o quanto vale a pena? E esse questionamento deve ser feito para a empresa investir no tema e o quanto irá destinar de recursos e atenção a isso. Criamos inclusive uma calculadora de ROI que auxilia você a entender o custo-benefício de criar uma cultura de Gestão do Conhecimento no seu negócio.

Para engajar a equipe na cultura e destinar tempo para a Gestão do Conhecimento, basta deixar claro para cada um toda a construção feita durante esse post (alinhamento-benefícios-custo); deve-se mostrar que Gestão do Conhecimento custa bem menos que os benefícios angariados no processo de criação dessa nova forma de trabalho.

Os resultados começam a chegar rapidamente para aqueles negócios já estruturados e em um processo organizado (ainda sem uma metodologia clara), tendo estes uma melhoria incremental em produtividade. Para aquelas empresas que nunca pensaram em gerenciar o seu conhecimento antes, os resultados tendem a ser um pouco mais lentos, no entanto com um impacto muito mais profundo quando forem notados. Empresas que desenvolvem uma cultura de Gestão do Conhecimento economizam até 25% do tempo da sua equipe melhorando a sua produtividade!

1 responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] vantagens em fazer esforços para executar um bom gerenciamento de processos. A criação de uma base de conhecimento é uma das heranças positivas dessa iniciativa. Se a sua empresa conduzir bem os processos […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *